Liga Espartaquista (EUA) na beira do penhasco – que os trotskistas saiam já!

A estrada para Jimslândia

Liga Espartaquista (EUA) na beira do penhasco – que os trotskistas saiam já!

Foto dos “Vingadores Vermelhos” publicada no jornal Young Spartacus de dez.1984/jan.1985

[Artigo originalmente publicado no Boletim da Tendência Externa da tendência Espartaquista Internacional (ET/iSt) n. 4, de maio 1985, pelo grupo que daria origem à Tendência Bolchevique (hoje Tendência Bolchevique Internacional, TBI). Tradução para o português realizada pelo Reagrupamento Revolucionário em fevereiro de 2017 a partir da versão disponível em http://www.bolshevik.org/ETB/Rtj.html ]

Em Novembro de 1984, quadros da Liga Espartaquista dos EUA (SL) vestiram chapéus de bruxa, narizes falsos, máscaras de porco e itens nazistas e desfilaram ao redor da Universidade Estadual de San Francisco, se apresentando como os “Vingadores Vermelhos (Red Avangers) da Liga Espartaquista Jovem clandestina” [a SYL, na sigla em inglês, era a juventude da SL]. Com isso, a liderança SL anunciou para a esquerda, para suas próprias fileiras e a quem mais estivesse interessado que a gradual transformação molecular da sua organização em uma seita obediente (um processo que estava em curso há alguns anos) tinha chegado ao ponto de não retorno. Enquanto isso, nas docas do outro lado da cidade, a Liga Espartaquista estava fazendo o seu melhor para destruir um boicote de 11 dias a cargas da África do Sul – a greve política mais importante de qualquer seção do proletariado americano em décadas. Esses dois eventos são resultado de uma longa série de desvios políticos em relação ao trotskismo. Tomadas em conjunto, eles demonstram que, mantendo-se formalmente “ortodoxa” em uma vasta gama de questões políticas historicamente derivadas, no mundo real a ruptura da SL com seu passado revolucionário está qualitativamente completa.

Continuar lendo

A crise política brasileira e a necessidade de um programa classista e revolucionário

A crise política brasileira e a necessidade de um programa classista e revolucionário

Fevereiro de 2017

Grande manifestação em Brasília dezembro passado, contra a PEC 241/55, duramente reprimida [foto: ASFOC]

[Pequenas alterações e correções neste texto foram realizadas no dia 18/02]

Está consolidado o golpe de Estado realizado pelo Congresso e Judiciário, com auxílio chave da Polícia Federal. O golpe claramente veio para, dentre outras coisas, aprofundar em ritmo e intensidade os ataques à classe trabalhadora, os quais já haviam se iniciado sob a gestão de Dilma e do PT. A conclusão prática é que, pelo menos pelo próximo período político, a luta central deverá ter caráter defensivo, com o objetivo de resistir a tais ataques. Qualquer ilusão na possibilidade de anulação do impeachment de Dilma, ou ainda uma tentativa de emplacar um “volta Dilma” (como o que deseja o Partido da Causa Operária, PCO [1]) não só será infrutífera, como desviará criminosamente o foco da luta contra tais ataques.

As estimativas de que o governo golpista seria “fraco” entre aqueles que defendiam o “Fora Dilma” (caso do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados, PSTU [2]) não bateram com a realidade. O governo Temer é governo altamente impopular, segundo recentes pesquisas de opinião, e vem sofrendo sistematicamente com envolvimentos de seu alto escalão em diversos escândalos de corrupção. Além disso, há vários indícios de que o PSDB, que tem conquistado cada vez mais espaço nesse alto escalão, tem travado uma luta contra o PMDB por detrás das cortinas, com o apoio do judiciário, que o tem blindado ao mesmo tempo em que tem caçado diversos “caciques” peemedebistas país afora. Todavia, isso tudo não significa necessariamente “fraqueza” do governo quando ele é apoiado pelo grosso do grande capital nacional e imperialista e por praticamente todos os partidos burgueses, além de seguir sendo blindado pelo cada vez mais autônomo e superpoderoso STF. Dessa forma, tem conseguido aprovar sua agenda de ataques sem grandes dificuldades (no que a atual incapacidade da esquerda de erguer uma poderosa resistência classista também tem que ser levada em conta).

Continuar lendo

NOVO EMAIL | NEW EMAIL | NUEVO CORREO ELECTRÔNICO

[PORTUGUÊS]
Gostaríamos de informar nossos leitores que trocamos nosso endereço de e-mail para rr-4i@krutt.org
Esse novo e-mail está hospedado no autistici.org, um provedor de serviços de e-mails seguros para coletivos e grupos de esquerda.
————————————

[ENGLISH]
We would like to inform our readers that we switched our e-mail address to
rr-4i@krutt.org
This new e-mail is hosted at autistici.org, an e-mail service provider for letf-wing groups.
————————————

[ESPAÑOL]
Nos gustaría informar a nuestros lectores que cambiamos nuestra dirección de correo electrónico a rr-4i@krutt.org
Este nuevo correo electrónico está alojado en autistici.org, un proveedor de servicios de correo electrónico para grupos de izquierda.

Postagem de ano novo | New year’s eve post | Post de año nuevo

Seguindo nossa tradição, todo final de ano postamos um material histórico de estímulo à determinação e à vontade revolucionária de nossos militantes, apoiadores e simpatizantes. Esse ano escolhemos um trecho da autobiografia de Leon Trotsky (Minha Vida, 1930) no qual o revolucionário fala de seu exílio forçado, do significado histórico da Revolução Soviética e de seu destino pessoal. Acesse clicando aqui: O Planeta sem Visto – Leon Trotsky (1930).

Following our tradition, every new year’s eve we post a historical material dedicated to the revolutionary will and determination of our members, supporters and sympathizers. This year we chose an excerpt of Leon Trotsky’s autobiography (My Life, 1930) in which the revolutionary deals with his forced exile, the historical meaning of the Soviet Revolution and his personal fate. Access by clicking here: The Planet Without a Visa – Leon Trotsky (1930).

Seguiendo nuestra tradición, cada fin de año publicamos un material histórico de estímulo a la determinación y la voluntad revolucionaria de nuestros miembros, apoyadores e simpatizantes. Este año eligimos un extracto de la autobriografia de Leon Trotsky (Mi Vida, 1930), en que el revolucionario trata de su exilio forzado, del significado histórico de la Revolución Soviética y de su destino personal. Para accesar, hace clic aqui: El Planeta sin Visado – Leon Trotsky (1930).

Ocupar tudo com greve estudantil! (Panfleto)

Ocupar tudo com greve estudantil!

Por uma universidade dos trabalhadores, derrotar a PEC 241/55 e a MP do ensino médio!

Reproduzimos a seguir panfleto que temos distribuído em unidades da UFRJ desde novembro de 2016.

No dia 04 de novembro, centenas de estudantes da UFRJ realizaram uma assembleia que decidiu pela ocupação da Reitoria a partir do dia 07, contra a PEC 241/55 e a MP do Ensino Médio. A “PEC do fim do mundo” significará cortes e congelamento do orçamento das áreas sociais, tendo efeitos nefastos nas educação pública, na assistência estudantil e na vida dos estudantes mais pobres e da classe trabalhadora. A MP do Ensino Médio irá restringir o acesso dos jovens trabalhadores à educação e elitizar ainda mais o ensino superior.

Mais de mil unidades escolares e universitárias já se encontram ocupadas pelo país afora, em um poderoso movimento que tem o potencial de barrar esss ataques, caso se unifique e se expanda para mobilizações que envolvam a classe trabalhadora. Porém, o Diretório Central de Estudantes (DCE) da UFRJ – dirigido por vários coletivos, como “Não vamos pagar nada”, Correnteza, UJC e “Quem vem com tudo não cansa” – NÃO defende a paralisação das aulas na universidade. Ocupar os prédios e deixar as atividades seguirem como se nada estivesse acontecendo não basta. Parar as aulas é um elemento fundamental para prestar solidariedade ativa à greve em andamento dos técnicos-administrativos e causar mais impacto, com vistas a derrotar as medidas do governo golpista. Frente a esse cenário, nós do Reagrupamento Revolucionário estamos defendendo:

  • Ocupação com greve estudantil: fazer piquetes e trancaços em todos os prédios! Apoio ativo à greve dos técnicos-administrativos!
  • Unidade pela base: eleger representantes revogáveis pela base em todos as unidades ocupadas para unificar o movimento de forma democrática! Formar um comando de luta da UFRJ!
  • Por uma frente nacional de lutas: incentivar a formação de um comando estadual de ocupações, rumo a uma frente nacional de lutas, democrática e pela base, que erga uma poderosa resistência estudantil e proletária aos ataques do governo golpista e do judiciário!
  • Universidade para a classe trabalhadora: efetivação dos terceirizados e das terceirizadas com plenos direitos! O orçamento da UFRJ deve ser para assistência aos estudantes e trabalhadores (creches, restaurantes universitários, alojamentos), não para pagar empresas privadas! Lutar pelo fim do vestibular/ENEM e pelo livre acesso! Expandir a rede pública estatizando sem indenização as empresas privadas de ensino! Exigir da Reitoria começar obras para um bandejão no centro e acelerar a obra na PV, os estudantes tem fome!
  • Gestão democrática: que os estudantes, funcionários/terceirizados e professores tenham o poder de decidir os rumos da universidade, através de uma gestão tripartite!
  • Rechaçar as provocações direitistas e reacionárias, como a do “UFRJ Livre” e MBL, de todas as maneiras necessárias! Diego não será esquecido!
  • Nenhuma confiança nos ex-governistas do PT e PCdoB! Não esquecer que Dilma já vinha encaminhando pesados ataques à educação pública e à classe trabalhadora!

O movimento trotskista internacional e as revoluções do pós-guerra (1944-1963)

O movimento trotskista internacional e as revoluções do pós-guerra (1944-1963)

 sem-titulo

Reproduzimos a seguir um artigo sobre a história da fragmentação do trotskismo no pós Segunda Guerra Mundial com o qual possuímos acordo em termos gerais. Ele foi escrito pelo historiador Marcio Lauria Monteiro e foi originalmente publicado pela revista Outubro n. 27, de novembro de 2016 (disponível em http://outubrorevista.com.br/o-movimento-trotskista-internacional-e-as-revolucoes-do-pos-guerra/). Acrescentamos uma seção extra que nos foi fornecida pelo autor, excluída da versão original por questões de espaço.

A Quarta Internacional foi fundada em 1938 por Leon Trotsky, após o abandono da condição de fração externa que a Oposição de Esquerda Internacional manteve diante da Comintern até 1934 e a sua opção de se tornar um novo partido internacional. Mas, desde a sua fundação, ela se encontrava bastante fragilizada, uma vez que praticamente toda a direção da antiga oposição fora assassinada pelos stalinistas ao longo da década de 1930, tendo Leon Trotski o mesmo destino em 1940. Assim, somando uma liderança frágil às duras condições impostas pela Segunda Guerra Mundial, a nova Internacional, na prática, deixou de existir durante o começo dos anos 1940, vindo a ser reorganizada ao longo de 1944-1948, a partir da soma dos esforços de uma nova geração ativistas europeus sob a liderança do Socialist Workers Party (SWP) dos Estados Unidos.

Continuar lendo

Os problemas do MAIS e o legado do PSTU

Os problemas do MAIS e o legado do PSTU/LIT

É preciso romper com o morenismo para não ser “mais do mesmo”

Pablo Pedrosa, novembro de 2016

Faixa conjunta entre o MAIS e o Juntos (PSOL) defendendo a realização de

Faixa conjunta entre o MAIS e o Juntos (PSOL) defendendo “Fora Temer” e “Eleições Gerais Já”

Ao completar 22 anos, o PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado) tem pouco a comemorar: o partido sofreu um enorme racha depois de perder vários membros nos últimos três anos. Com centenas de militantes, entre eles históricos dirigentes como Valério Arcary, o novo grupo lançou seu manifesto “Arrancar Alegria ao Futuro” e logo organizou-se com o nome de MAIS (Movimento por uma Alternativa Independente Socialista). Há cerca de um ano, ex-militantes do PSTU também reuniram-se em um outro grupo, consideravelmente menor, o Movimento ao Socialismo (MAS). Esses dois movimentos romperam em momentos e contextos distintos, mas tinham algumas posições em comum. Em especial a discordância com a política nacional do PSTU, sobre o impeachment da presidenta Dilma – o PSTU dizia que o impeachment era “insuficiente” e lançou a palavra de ordem: “Fora Todos Eles, Eleições Gerais Já!”, dizendo que a saída de Dilma correspondia à vontade dos trabalhadores (independentemente de como se desse). E também a crítica ao isolamento do partido do restante da esquerda, especialmente a oposição da direção nacional a uma frente eleitoral com o PSOL em 2016. Ambos os rachas defendem oposição ao impeachment, sem se comprometer com o governo Dilma. Também defendem a formação de uma Frente de Esquerda contra a política de “ajuste fiscal”, aglutinando partidos como o PSOL, PCB, PSTU, movimentos como o MST e MTST e organizações sindicais como a CSP-Conlutas.

Continuar lendo

New issue of Revolutionary Regroupment

We happily announce the publication of a new issue of our journal, Revolutionary Regroupment. Check out the contents and download the PDF or read it online:

Click t to download the PDF

Click to download the PDF

Content
(click on the article to read online)

Arquivo Histórico: fundamentalismo evangélico e “greves” policiais

Chamamos a atenção de nossos(as) leitores(as) para dois materiais recentemente adicionados ao Arquivo Histórico, ambos do Coletivo Lenin, organização da qual se originou o Reagrupamento Revolucionário (veja mais sobre aqui):

Globo x Igreja Universal – Fundamentalismo evangélico na luta pelo poder. Artigo de julho de 2009, que discute o projeto de poder do fundamentalismo evangélico no Brasil, tema extremamente relevante em face à recente eleição de Marcelo Crivela (PRB/Igreja Universal) para a prefeitura do Rio de Janeiro.

Porque não apoiamos as greves da polícia?. Polêmica de novembro de 2007 com o PSTU, que aborda a posição recorrente entre setores da esquerda de apoiar “greves” e motins das forças profissionais de repressão do Estado burguês, como ocorreu essa semana em relação a um protesto de Policiais Militares, Bombeiros Militares, Policiais Civis e outros setores repressores contra as medidas de “austeridade” do governo estadual do Rio de Janeiro (Pezão/PMDB) (veja mais sobre aqui).

Guerra civil siria, Estado Islámico y la batalla por Kobane

¡Defender a Siria contra el imperialismo! ¡Por una posición de independencia de clase en la guerra civil!

[Éste artículo fue originalmente escrito entre Junio y Julio del 2015. Debido a dificultades internas, no puede ser publicado y se acabó desactualizando parcialmente debido a la rapidez de los acontecimientos en la guerra civil siria. No obstante, todavía responde a una serie de cuestiones políticas que permanecen centrales en ese complejo conflicto y también leída con las posiciones problemáticas de ciertas organizaciones que se reivindican trotskistas. Por eso, decidimos publicarlo acrecentando algunos comentarios entre corchetes.]

Por Rodolfo Kaleb. Originalmente publicado en portugués en  enero de 2016.

Durante los últimos años, la población Siria estaba sumergida en un conflicto sangriento entre una dictadura de décadas, por un lado, y un conjunto de fuerzas burguesas que querían formar un nuevo régimen nacional, por otro. Más recientemente ella también se ha visto delante del avance territorial de los fundamentalistas del Estado Islámico y de ataques militares efectuados en el país por los Estados Unidos y otras potencias imperialistas. Dedicamos éste texto profundizando algunas cuestiones ya abordadas hace algún tiempo, en nuestro artículo de septiembre del 2012 (El Conflicto Sirio y las Tareas de los Revolucionarios) y a actualizar ciertos aspectos, llevando en cuenta esos nuevos acontecimientos.

Continuar lendo

2ª Edição expandida do Livreto “Marxismo & Emancipação da Mulher”

Download (PDF 3.5 MB)

Conteúdo Online:
Marxismo, feminismo e a libertação da mulher (TBI, 1997)
Sobre marxismo e feminismo (RR, 2009)
Garota de 17 anos morre de aborto (SWP, 1958)
Feminismo e pânico moral (TBI, 1986)
Debate com o PSTU sobre as “delegacias da mulher” (RR, 2013)
As mulheres e a Revolução Permanente (SL, 1973)
O Comunismo e a família (Alexandra Kollontai, 1920)
O Termidor no lar (Leon Trotsky, 1936)

Declaración de Relaciones Fraternas entre el Reagrupamiento Revolucionario y el Grupo Qué Hacer?

Septiembre del 2016

Es partiendo de la comprensión de la necesidad de la construcción de un partido revolucionario de los trabajadores, hoy inexistente en el Brasil, que el Reagrupamiento Revolucionario y el grupo Qué Hacer? deciden establecer relaciones fraternas, para discutir las bases de un grupo de propaganda combativo que pueda contribuir para esa tarea.

Continuar lendo

Trotskyist Fraction’s demand for a Constituent Assembly

Cats do not lay eggs

By Icaro Kaleb, originally published in Portuguese in May 2016

An appeal for help translating articles: this article was translated to English by non-native speakers and we apologize for any misspelling and other errors it may contain. Revolutionary Regroupment has an internationalist perspective of growing around the globe and we want to make more of our political literature available in English and other languages. If you want to help us in this internationalist goal by translating our articles or providing support to improve our translations, please contact us at reagrupamento.revolucionario@gmail.com. Thank you!

The Trotskyist Fraction (TF) is the group responsible for the online newspaper Left Voice and its international network (Red Izquierda Diario). Its main section is the Argentinian PTS. Amid the current political crisis in Brazil, its section – the MRT (Workers’ Revolutionary Movement) – has raised the slogan for an “immediate in-depth democratic response capable of really addressing the needs and wishes of the ‘low classes’, a sovereign and free Constituent Assembly”. The demand for a Constituent Assembly is often raised by the TF in various different scenarios. It was raised during Argentina’s mass uprisings in 2001; following the Honduras coup d’etat in 2009; during the Spanish indignados movement in 2011 and many other occasions.

Continuar lendo

Declaration of fraternal relations between Revolutionary Regroupment and O Que Fazer?

September 2016

An appeal for help translating articles: this article was translated to English by non-native speakers and we apologize for any misspelling and other errors it may contain. Revolutionary Regroupment has an internationalist perspective of growing around the globe and we want to make more of our political literature available in English and other languages. If you want to help us in this internationalist goal by translating our articles or providing support to improve our translations, please contact us at reagrupamento.revolucionario@gmail.com. Thank you!

It is based on the understanding of the need to build a revolutionary workers’ party, which currently does not exist in Brazil, that Revolutionary Regroupment and the group O Que Fazer? [“What is to be done?”] decide to establish fraternal relations in order to discuss the basis for creating a militant propaganda group that can contribute to this task.

Continuar lendo

ADENDO à posição eleitoral do Reagrupamento Revolucionário

Sobre o voto do MRT em Marcelo Freixo (PSOL Rio de Janeiro)

Pouco antes do dia das eleições burguesas, realizamos uma alteração da posição eleitoral descrita em nossa declaração. Não por mudarmos nossos princípios ou tática, mas pela informação de última hora de que o MRT (Movimento Revolucionário dos Trabalhadores) daria apoio eleitoral à candidatura de Marcelo Freixo (PSOL) no Rio de Janeiro. Como havíamos declarado sobre o voto de protesto nas candidaturas independentes da classe trabalhadora, “nosso apoio a essas candidaturas é condicional à manutenção da sua independência em relação aos candidatos capitalistas em geral.”.

Continuar lendo

Os revolucionários e as eleições burguesas

Setembro de 2016

[Este texto foi originalmente escrito como uma colaboração à discussão interna do Reagrupamento Revolucionário sobre qual posição tomar nas eleições de 2016. Posteriormente à discussão, ele foi expandido e adaptado para publicação.]

No Brasil, a esquerda possui um forte foco nas eleições burguesas, muitas vezes até mesmo priorizando o calendário eleitoral em detrimento do fortalecimento de lutas populares e dos trabalhadores. Isso força grupos pequenos como o nosso, atualmente incapazes de ter algum impacto no processo eleitoral, a afirmarem suas posições e a se diferenciarem da tendência geral de disseminação de ilusões nas eleições como uma via para mudanças que interessem ao proletariado. Organizamos essa primeira parte do texto na forma de teses que definem nossos princípios básicos para uma atuação revolucionária nas eleições. Posteriormente, discutimos nossa posição sobre o pleito de 2016.

Continuar lendo

Declaração de relações fraternais entre o Reagrupamento Revolucionário e o grupo O Que Fazer?

Setembro de 2016

É partindo da compreensão da necessidade da construção de um partido revolucionário dos trabalhadores, hoje inexistente no Brasil, que o Reagrupamento Revolucionário e o grupo O Que Fazer? decidem estabelecer relações fraternas, para discutir as bases de um grupo de propaganda combativo que possa contribuir para a essa tarefa.

Continuar lendo