Postagem de Fim de Ano

Dos Arquivos do Trotskismo
A Declaração dos Comunistas Internacionalistas de Buchenwald
Este artigo introdutório, seguido do documento original dos trotskistas de Buchenwald, foi originalmente impresso em inglês na revista Spartacist (número 26) em 1979. A tradução para o português foi realizada pelo Reagrupamento Revolucionário em dezembro de 2011.

É com grande satisfação que nós publicamos pela primeira vez em nossa língua este documento comovente e historicamente importante. A “Declaração dos Comunistas Internacionalistas de Buchenwald” é um manifesto programático feito por quadros e simpatizantes do movimento trotskista que sobreviveram ao campo de concentração nazista. Nem a tortura fascista nem a perseguição stalinista quebraram a coragem política desses camaradas.

Originalmente escrita em alemão, a declaração foi publicada pouco mais de uma semana depois que Buchenwald foi liberada, em abril de 1945. A sua terceira seção foi publicada em uma edição de 1946 de Neuer Spartakus, a primeira imprensa trotskista em língua alemã publicada após a guerra. Esta parte do documento foi reimpressa em outubro de 1974 em Die Internationale, jornal dos pablistas na Alemanha Ocidental. Mais recentemente, duas traduções francesas diferentes do texto integral foram publicadas. Uma apareceu no Bulletin (número 10) do Centro de Estudos e Pesquisas sobre os Movimentos Trotskista e Revolucionário Internacionais (CERMTRI). A segunda foi na Critique Communiste (número 25, novembro de 1978), jornal dos pablistas franceses. A nossa tradução é do original em alemão que foi obtido dos arquivos dos CERMTRI em Paris. Esta introdução é largamente baseada nos prefácios ao texto que apareceram no Bulletin do CERMTRI e na Critique Communiste.

A “Declaração dos Comunistas Internacionalistas de Buchenwald” foi o trabalho colaborativo de quatro camaradas: os dois austríacos Ernst Federn e Karl Fischer, e Marcel Beaufrere e Florent Galloy, trotskistas francês e belga respectivamente. Como muitos outros trotskistas alemães e austríacos, Federn e Fischer foram capturados pelos nazistas mesmo antes do início da segunda guerra imperialista. Ambos foram primeiramente presos pelas suas atividades revolucionárias na Áustria em 1935. Federn foi libertado, mas Fischer e outros trotskistas austríacos foram aprisionados e julgados em Viena em 1937. Sentenciados a cinco anos de prisão, eles foram libertados com a anistia decretada na véspera da anexação da Áustria pela Alemanha em fevereiro de 1938 e escaparam para a Bélgica e depois para a França. Federn foi preso novamente em 1939 e mandado para o campo nazista de Dachau e depois transferido para Buchenwald.

Muitos dos quadros trotskistas que iriam se juntar a Federn em Buchenwald passaram os primeiros anos da guerra na clandestinidade, organizados entre trabalhadores e soldados alemães sob a ocupação nazista. A sua luta internacionalista fez das dispersas células trotskistas alvos não apenas da Gestapo, mas também dos stalinistas. Marcel Beaufrere foi tipicamente um daqueles militantes trotskistas cujo trabalho clandestino foi punido pelos nazistas com prisão nos campos de extermínio. Colocado para dentro e para fora da prisão desde 1939, quando foi inicialmente preso por “provocar desobediência no exército”, Beaufrere trabalhou de forma próxima com Marcel Hic, que havia sido bem sucedido em realizar uma publicação regular, La Verite [A Verdade], bem debaixo do nariz dos nazistas. Em setembro de 1943, Beaufrere foi encarregado de liderar a célula trotskista na Bretanha, onde o jornal clandestino Albeiter und Soldat [Trabalhador e Soldado] era impresso e distribuído entre as forças armadas alemãs. Apesar da repressão feroz (em outubro de 1943 a Gestapo capturou e fuzilou cerca de 65 membros da célula, incluindo 30 soldados e marinheiros alemães), a propaganda trotskista na Alemanha continuou a ser produzida em grande quantidade (com uma circulação que chegava a 10 mil cópias) e foi disseminada até agosto de 1944. Beaufrere foi finalmente preso em outubro de 1943, torturado e enviado para Buchenwald.

Muitos dos militantes trotskistas ativos nesse trabalho não viveram para ler o documento produzido pelos camaradas de Buchenwald. Marcel Hic sobreviveu a Buchenwald apenas para morrer em Dora em 1944. Robert Cruau, o militante de 23 anos que liderou a célula trotskista dentro das forças armadas alemães em Brest, foi preso em 1943 e, de acordo com a introdução da Critique Communiste feita por Rodolphe Prager:

Um pouco após a sua prisão, Robert Cruau forjou uma fuga com o objetivo de levar à própria morte. Ele queria ter certeza de que não falaria, e ele era o alvo primário dos interrogadores.”

E Abram Leon, talentoso autor do ainda definitivo trabalho trotskista sobre a questão judaica e líder da célula trotskista belga dentro das forças armadas alemães, foi preso em junho de 1944 quando chegou na região de Charleroi para assumir o controle do trabalho clandestino entre os mineiros, que cobria cerca de 15 minas e incluía a publicação de Le Reveil des Mineurs [O Despertar dos Mineiros]. Torturado pela Gestapo, Leon foi exterminado numa câmara de gás em Auschwitz aos 26 anos de idade.

Apesar do terror nazista, os trotskistas nos campos de concentração buscaram continuar lutando pelo seu programa revolucionário. Inúmeros relatos testemunham o heroísmo e coragem da célula trotskista em Buchenwald. De acordo com uma entrevista que Beaufrere deu para um representante da iSt [tendência Espartaquista internacional] em janeiro de 1979, quando os nazistas estavam se preparando para abandonar Buchenwald às forças dos Aliados que se aproximavam, os comandantes do campo difundiram através do sistema de alto-falante uma ordem para que os prisioneiros se reunissem. Reconhecendo que era muito provável que ocorresse uma concentração e extermínio dos judeus no fim, Beaufrere e o seus camaradas imediatamente começaram a clamar aos presos para que não seguissem para a assembleia, e que os presos políticos trocassem os seus emblemas vermelhos de identificação com os judeus, que eram obrigados a usar estrelas amarelas no seu uniforme. Assim, um extermínio em massa quase certo de judeus (e talvez também de comunistas) foi parcialmente evitado.

A autoridade política que os Comunistas Internacionalistas ganharam dentro do campo não desempenhou menor papel na sua sobrevivência. Como foi o caso em outros campos nazistas, em Buchenwald os trotskistas viviam sob constante ameaça de assassinato pelos stalinistas, que na maioria dos casos controlavam os aparatos militares clandestinos formados em alguns campos. De acordo com a entrevista com Beaufrere, a célula stalinista francesa em Buchenwald lhe reconheceu como um trotskista desde a sua chegada em janeiro de 1944 e prometeu matá-lo. Em toda a parte, os trotskistas foram de fato assassinados pelos stalinistas – por exemplo, Pietro Tresso (Blasco), um líder da organização trotskista clandestina (o PCI), “desapareceu” depois que a incursão organizada pelos stalinistas libertou cerca de 80 lutadores da resistência em Puy, um campo nazista na França. Em Buchenwald os stalinistas franceses usaram as suas posições organizativas para encarregar Beaufrere de tarefas que iriam quase certamente levar à sua morte. Beaufrere foi salvo dessa “sentença de morte” pela solidariedade ativa das células stalinistas alemã e tcheca, no fim ganhando apoio também de outras células (que eram organizadas ao longo de linhas nacionais), incluindo o grupo russo.

O que permitiu a Beaufrere ganhar a simpatia e o respeito desses quadros stalinistas foi em grande medida a posição anti-chauvinista dos trotskistas. Evidentemente, muitos dos stalinistas alemães e austríacos eram repelidos pelo chauvinismo anti-alemão dos seus “camaradas” do PC francês. (Na época da “liberação” da França pelos Aliados, L’Humanite [jornal dos stalinistas franceses] correu manchetes tais como “Cada um pegue um alemão!”). Após a sua chegada em Paris em 1945, Beaufrere relatou para a imprensa trotskista francesa o impacto da declaração de Buchenwald sobre os stalinistas alemães:

Alguns velhos comunistas alemães vieram encontrar nossos camaradas trotskistas [em Buchenwald], relembrou Beaufrere em seu retorno a Paris, e disseram a eles: chegou a hora, vocês devem se mostrar publicamente, e pediram uma discussão política preliminar. Um texto de nossos camaradas alemães que nos declarava a favor de uma república soviética alemã teve um profundo impacto nos camaradas comunistas alemães, que pediram para manter contato com os trotskistas.”
La Verite, 11 de maio de 1945, citado na Critique Communiste, novembro de 1978.

A declaração de Buchenwald não deixa de ter suas fraquezas. Do ponto de vista do trotskismo, o manifesto contém formulações sobre a questão da URSS e da Quarta Internacional que são vagas, senão simplesmente ambíguas. Assim, enquanto a burocracia soviética recebe referência como uma casta, a declaração evita caracterizar a URSS como um Estado operário degenerado. Ela coloca uma interrogação bastante explícita sobre a evolução futura do regime e em nenhum lugar chama pela defesa militar incondicional da URSS.

Da mesma forma, enquanto “IV Internacional” aparece no fim do documento entre parênteses, a Quarta Internacional e o trotskismo não são mencionados no texto. Ao invés disso, a declaração afirma que “um novo partido revolucionário mundial” precisa ser criado.

Essas não foram formulações precipitadas, mas o resultado de muita discussão. Beaufrere e Fischer tinham posições amplamente divergentes sobre o caráter de classe da URSS e sobre a Quarta Internacional. Mesmo antes da guerra, Fischer havia adotado a análise do “Capitalismo de Estado” para a URSS e seu grupo havia crescido cada vez mais afastado da Quarta Internacional.

A declaração de Buchenwald representou um compromisso. Karl Fischer explicou em 29 de maio de 1946 em uma carta que para seus camaradas em Paris que:

Ela foi composta conjuntamente por Federn, Marcel Beaufrere, Florent Galloy e eu. No que diz respeito à Rússia e aos trotskistas, eu tive que entrar em um compromisso, já que de outra forma nada teria saído.”
Citado no Bulletin do CERMTRI, número 10.

Também deve-se notar que a declaração prediz bastante categoricamente uma erupção iminente de grandes rivalidades inter-imperialistas entre os Estados Unidos e a Grã-Bretanha. Tal projeção, é claro, se revelou falsa pouco depois. Entretanto, a questão envolvida não era nova. Em meados dos anos de 1920, Trotsky analisou as bases de possíveis futuras rivalidades inter-imperialistas anglo-americanas. Mas no fim da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos estavam claramente emergindo como um poder imperialista hegemônico.

Mesmo com essas fraquezas, a declaração de Buchenwald é, no geral, uma declaração principista e poderosa de internacionalismo revolucionário, uma afirmação do otimismo revolucionário na capacidade da vanguarda comunista para liderar o proletariado ressurgente para longe da crise de liderança e rumo à conquista do poder.

***

I. A Conjuntura Internacional do Capitalismo

No fechamento da segunda guerra imperialista, Itália, Alemanha e Japão perderam a sua altura como grandes potências imperialistas, enquanto a da França foi severamente minada.

Os antagonismos e conflitos imperialistas entre os Estados Unidos e a Grã-Bretanha dominam a conjuntura da política imperialista mundial.

No início dessa guerra imperialista, a Rússia emergiu do seu isolamento e hoje se confronta com a tarefa de consolidar política e economicamente os seus sucessos militares em oposição aos apetites das potências imperialistas vitoriosas.

Apesar dos seus enormes esforços, a China permanece um peão das grandes potências imperialistas, uma consequência inevitável da vitória da burguesia chinesa sobre o proletariado chinês.

A unanimidade disposta de forma tão ostentosa nas conferências de paz imperialistas tem o objetivo de enganar as massas ao esconder os antagonismos inerentes entre as potências capitalistas. Entretanto, interesses militares coincidentes no que diz respeito à Alemanha não podem prevenir a explosão de antagonismos dentro do campo dos Aliados. A esses antagonismos deve ser adicionada a crise inevitável e o tumulto social do modo de produção capitalista decadente.

Uma análise precisa da situação internacional, usando o método do marxismo leninista é a precondição indispensável para uma linha revolucionária bem sucedida.

II. A Situação Internacional da Classe Trabalhadora

Esse desenvolvimento torna possível para o proletariado alemão se recuperar rapidamente da sua profunda derrota e novamente se posicionar nas cabeças da classe trabalhadora européia na batalha pela derrubada do capitalismo. Isolada pelo fracasso da revolução na Europa, a revolução russa tomou um curso que a levou mais e mais para longe dos interesses do proletariado europeu e internacional. A política do “socialismo em um só país”, a princípio somente uma defesa dos interesses do círculo burocrático dominante, leva hoje o Estado russo a propagar uma política nacionalista ombro a ombro com as potências imperialistas. Qualquer que seja o curso dos eventos na Rússia, o proletariado internacional deve se livrar de todas as ilusões no que diz respeito a este Estado, e com a ajuda de uma análise marxista clara, perceber que a atual casta burocrática e militar dominante defende exclusivamente os seus próprios interesses e que a revolução internacional não pode contar com qualquer apoio desse governo.

O total colapso militar, político e econômico da burguesia alemã abre o caminho para a libertação do proletariado alemão. Para prevenir o restabelecimento da burguesia alemã, facilitado pelos antagonismos imperialistas, e para estabelecer o poder proletário, é necessária a luta revolucionária da classe trabalhadora de cada país contra a sua própria burguesia. A classe trabalhadora foi privada da sua liderança pelas políticas de duas organizações internacionais dos trabalhadores, que ativamente lutaram contra e sabotaram a revolução proletária, que por si só poderia ter prevenido esta guerra. A Segunda Internacional é uma ferramenta da burguesia. Desde a morte de Lenin, a Terceira Internacional foi transformada em uma agência da política externa da burocracia russa. Ambas internacionais participaram ativamente na preparação e na realização dessa guerra imperialista e, portanto, dividem responsabilidade por ela. Atribuir responsabilidade, ou responsabilidade parcial, por essa guerra à classe trabalhadora alemã e internacional é outra forma de continuar servindo à burguesia.

O proletariado pode cumprir a sua tarefa histórica apenas sob a liderança de um novo partido mundial revolucionário. A criação desse partido é a tarefa mais pulsante dos setores mais avançados da classe trabalhadora. Os quadros revolucionários internacionais já se reuniram para construir esse partido mundial na luta contra o capitalismo e os seus agentes reformistas e stalinistas. Para levar a frente essa difícil tarefa, não se deve buscar evitar a questão através do slogan mais conciliatório da nova Internacional 2½. Tal formação intermediária evitaria a clarificação ideológica necessária e iria ceifar a vontade revolucionária.

III. Nunca Mais um 9 de Novembro de 1918!

No período pré-revolucionário iminente, o que é necessário é mobilizar as massas trabalhadoras na luta contra a burguesia e preparar a construção de uma nova Internacional revolucionária que irá forjar a unidade da classe trabalhadora na ação revolucionária.

Todas as teorias e ilusões sobre o “Estado popular” ou uma “democracia popular” levaram a classe trabalhadora às derrotas mais sangrentas no curso da luta de classes na sociedade capitalista. Somente a luta irreconciliável contra o Estado capitalista – até, inclusive, a sua destruição e a construção de um Estado de conselhos de trabalhadores e camponeses – pode evitar novas derrotas similares. A burguesia e a pequeno-burguesia marginalizada trouxeram o fascismo ao poder. O fascismo é criação do capitalismo. Apenas a ação independente bem sucedida da classe trabalhadora contra o capitalismo é capaz de erradicar o mal do fascismo junto com as suas causas de origem. Nessa luta, a pequeno-burguesia hesitante irá juntar forças com o proletariado revolucionário na ofensiva, conforme a história das grandes revoluções demonstra.

Para emergir vitoriosa das batalhas de classe que estão por vir, a classe trabalhadora alemã deve lutar pela realização das seguintes demandas:

  • Liberdade de organização, reunião e imprensa!
  • Liberdade de ação coletiva e restauração imediata de todas as conquistas sociais pré-1933!
  • Confisco da propriedade dos fascistas para o benefício das suas vítimas!
  • Julgamento de todos os representantes do Estado fascista por tribunais eleitos livremente pelo povo!
  • Dissolução das forças armadas alemães e a sua substituição por milícias de trabalhadores!
  • Imediata eleição livre para conselhos de trabalhadores e camponeses ao longo de toda Alemanha e a convocação de um congresso geral desses conselhos!
  • Preservação e extensão desses conselhos enquanto são usadas as instituições parlamentares da burguesia para a propaganda revolucionária!
  • Expropriação dos bancos, da indústria pesada e das grandes propriedades!
  • Controle da produção pelos sindicatos e conselhos de trabalhadores!
  • Nenhum homem, nenhum centavo para pagar as dívidas de guerra e reparações da burguesia!
  • A burguesia deve pagar!
  • Pela revolução socialista em uma Alemanha unificada! Contra o desmembramento da Alemanha!
  • Fraternização revolucionária com os proletários dos exércitos ocupantes!
  • Por uma Alemanha de conselhos de trabalhadores em uma Europa de conselhos de trabalhadores!
  • Pela revolução proletária mundial!

Os Comunistas Internacionalistas de Buchenwald
(IV Internacional) – 20 de abril de 1945

Os comentários estão desativados.